SAÚDE

Quais são os cuidados nutricionais durante a amamentação?

Saiba qual é o papel da alimentação materna durante a lactação e os cuidados necessários para que o recém-nascido seja nutrido adequadamente.

Investir em uma alimentação nutritiva e balanceada é fundamental para valorizar a saúde e a qualidade de vida, além de ser algo importante para prevenir doenças crônicas. Mas, você já parou para pensar quando é que esses cuidados devem ter início? Leia mais: antes de tentar engravidar, futura mamãe precisa cuidar da saúde.

 

5 dicas para manter a hidratação em dia!

 

O papel da nutrição na vida humana já começa a surtir efeitos ainda no ventre materno. A alimentação da gestante tem grande influência desde a concepção, passando por todas as fases de desenvolvimento do feto. Durante a gestação, o bebê é nutrido através do cordão umbilical e precisa receber todos os nutrientes necessários para o adequado desenvolvimento de seu pequenino corpo. É por isso que a dieta materna deve ser criteriosa e, de preferência, baseada em orientações de especialistas.

 

Mas, o forte vínculo nutricional entre mãe e bebê não termina no momento do parto. O primeiro alimento que o recém-nascido deve ter contato na vida extrauterina é o leite materno. Leia também: alimentação e amamentação. Não à toa, recomenda-se que haja amamentação exclusiva nos primeiros seis meses de vida do bebê, sendo que o aleitamento pode continuar até os dois anos ou mais1. Leia mais no Blog Bayer: alimentação saudável deve ser uma prioridade para as gestantes.

 

Nutrição materna

Uma mulher saudável pode chegar a produzir cerca de 800ml de leite diariamente, sendo que mães de gêmeos chegam a produzir até dois litros de leite materno. A fase de lactação exige muito do corpo da mulher, registrando um expressivo aumento de demanda energética, podendo atingir uma necessidade diária de até 2.800 calorias2.

 

Entre os nutrientes fundamentais está a vitamina A, necessária para o desenvolvimento adequado do sistema imune do bebê, por exemplo. Durante o aleitamento, há um aumento na demanda por vitaminas A, B1, B6, B12, C, E, niacina, riboflavina e ácido fólico, assim como dos minerais iodo e selênio.

 

Por isso, é importante que a mamãe receba apoio especializado e, em muitos casos, pode ser necessário investir em suplementação, segundo informações do livro Além da Nutrição - O impacto da nutrição materna na saúde das futuras gerações, disponível para download gratuito aqui. A Bayer auxilia as mamães que buscam melhorar a nutrição e garantir um desenvolvimento saudável para o bebê, oferecendo soluções para a suplementação materna, saiba mais: divisão Consumer Health da Bayer Brasil.

 

Dieta do bebê

Pelo menos nos seis primeiros meses de vida, a nutrição do bebê será influenciada pela alimentação da mãe, já que isso determina as concentrações de nutrientes presentes no leite materno. Ao investir em uma dieta adequada, a mãe garante que o leite materno seja um alimento completo. Até mesmo em dias de calor intenso, a bebida é capaz de fornecer todo o volume de água que o bebê precisa. Dessa forma, o fornecimento de qualquer outro alimento ou líquido não é indicado.

 

“Oferecer água para o bebê antes dos seis meses de vida pode causar sérios problemas à saúde, tais como diarreia e má nutrição. Nem água, suco ou chazinho são necessários nesse período”, explicou a pediatra do Banco de Leite Humano (BLH) do Instituto Nacional de Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente Fernandes Figueira (IFF/Fiocruz) Marlene Roque Assumpção, em comunicado3.

 

Benefícios do aleitamento

Além de ser um alimento “econômico”, já que é “fabricado” pela própria mãe, o leite materno é a melhor opção para nutrir e proteger a saúde do bebê4. De acordo com dados do Ministério da Saúde, a amamentação pode reduzir em até 13% os índices de mortes de crianças menores de cinco anos, protegendo contra doenças como diarreia, infecções respiratórias e alergias, além de prevenir o desenvolvimento de hipertensão, colesterol alto, diabetes e obesidade na vida adulta.5

 

“O aleitamento materno é a principal arma no combate à desnutrição e mortalidade infantil, é rico em imunoglobulinas, anticorpos e várias proteínas, lípides e carboidratos adequados para nutrição do recém-nascido. Assim, previne contra as principais doenças do recém-nascido e da infância”, afirmou a obstetra Dra. Silva Regina Piza, presidente da Comissão Nacional Especializada em Aleitamento Materno da Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia (Febrasgo), em comunicado.6

 

O ato de amamentar é tão importante que também beneficia a mamãe. As mulheres que amamentam conseguem reduzir os riscos de desenvolvimento de câncer de mama7. Isso ocorre porque, durante o aleitamento, há uma redução de hormônios relacionados ao risco de câncer e a mulher consegue eliminar e renovar células mamárias, segundo informações do Instituto Nacional do Câncer (Inca)8. Leia também: por que tomar vitaminas para engravidar?

 

Referências:

1. https://www.unicef.org/brazil/aleitamento-materno
2. https://www.bayer.com.br/sites/bayer_com_br/files/livro-alem-da-nutricao.pdf
3. https://portal.fiocruz.br/noticia/leite-materno-garante-hidratacao-de-bebes
4. https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/saude_crianca_aleitamento_materno_cab23.pdf
5. https://www.gov.br/pt-br/noticias/saude-e-vigilancia-sanitaria/2021/07/campanha-incentiva-o-aleitamento-materno-no-brasil
6. https://www.febrasgo.org.br/pt/noticias/item/1304-o-aleitamento-materno-e-capaz-de-prevenir-mais-de-820-mil-mortes-em-criancas-de-ate-5-anos-por-ano-no-mundo-diz-estudo
7. https://agenciabrasil.ebc.com.br/saude/noticia/2021-08/amamentacao-ajuda-prevenir-cancer-de-mama-e-outras-doencas
8. https://www.inca.gov.br/alimentacao/amamentacao