SAÚDE

Mulheres sofrem mais com a incidência de tromboembolismo

Conheça os sintomas e riscos da doença, que pode ser solucionada com medicamentos anticoagulantes se for descoberta precocemente

Você sabia que as mulheres correm mais risco de desenvolver trombose? Isso acontece porque as mulheres registram maior frequência de problemas genéticos que levam à doença. Os hormônios femininos colaboram para o desenvolvimento de distúrbios de coagulação sanguínea, e ainda há outros fatores de risco relacionados ao gênero feminino, como a gravidez e a presença de varizes1.

 

O perigo da trombose nas mulheres

 

O tromboembolismo venoso (TEV), que é conhecido popularmente como trombose, representa a formação de coágulos sanguíneos, os chamados trombos. Esse coágulo pode obstruir uma veia ou artéria, dificultando a passagem do sangue. Quando obstrui uma veia, provoca inchaço e dor na região onde se encontra, pode causar vermelhidão e até mesmo certa rigidez na musculatura local.

 

O termo TEV se subdivide ainda em duas doenças, classificadas de acordo com o local de ocorrência do trombo. A trombose venosa profunda (TVP) representa a formação de coágulos em veias profundas, principalmente nos membros inferiores, enquanto o tromboembolismo pulmonar (TEP) indica a presença de trombo que podem se deslocar para o pulmão.

 

“No funcionamento normal do sistema sanguíneo, o sangue oxigenado sai do coração e é distribuído para o corpo inteiro, através das artérias, e volta para o pulmão, sem oxigênio, através das veias. A trombose é uma situação em que o sangue se coagula, dentro da veia, e não volta para o coração”, disse Nelson Wolosker, cirurgião vascular do Hospital Albert Einstein, em notícia da revista Glamour.

 

O grande problema da trombose é que um coágulo pode se “soltar” do seu local de origem e viajar pelo sistema circulatório. Nesse caso, o quadro pode se complicar, evoluindo para o acidente ou acidente vascular cerebral (AVC), podendo até ser fatal. Por essa razão, é fundamental procurar atendimento médico assim que notar os primeiros sinais e sintomas de trombose.

 

Embora o tromboembolismo venoso seja preocupante, a condição pode ser solucionada se for descoberta no início, por meio de tratamento com medicação anticoagulante. Para prevenir a doença, recomenda-se a prática de exercícios físicos, já que a inatividade colabora para problemas circulatórios. Em alguns casos também pode ser recomendado o uso de meias de compressão, como, por exemplo, durante longas viagens de avião.

 

Gestantes devem ficar ainda mais atentas aos possíveis sinais de trombose. “Na gestação, o perigo é maior, entre outras coisas, porque o aumento do peso e a diminuição da mobilidade levam à estase”3, afirmou o angiologista Marcelo Calil Burihan, diretor da Sociedade Brasileira de Angiologia e de Cirurgia Vascular (SBACV), em notícia da revista Veja Saúde. As mulheres com mais de 40 anos ou com índice de massa corpórea acima de 30 também correm maior risco de desenvolvimento da doença4.

 

Estima-se que a trombose afete até duas pessoas a cada mil habitantes no Brasil, segundo informações da Associação Brasileira de Hematologia, Hemoterapia e Terapia Celular (ABHH). Anualmente, a doença prejudica mais de 300 mil pessoas nos Estados Unidos e 500 mil pessoas na Europa.

 

No Brasil, o problema pode ser agravado pela desinformação. “Pesquisa realizada pelo Ibope em 2010 constatou que 44% da população brasileira não reconhece os sintomas da trombose. Nesse cenário, o desconhecimento pode tornar a doença muito mais perigosa, principalmente para as mulheres”5, afirmou o hematologista Élbio D’Amico, em comunicado da associação.

 

Tags: trombose, coágulos, trombo, tromboembolismo venoso, trombose venosa profunda, tromboembolismo pulmonar.

 

Referências:

1https://www.gineco.com.br/saude-feminina/doencas-femininas/tromboembolismo-venoso

 

2https://revistaglamour.globo.com/Beleza/Saude/noticia/2020/07/entenda-o-que-e-trombose-doenca-que-levou-anitta-ao-hospital.html

 

3https://saude.abril.com.br/medicina/trombose-o-que-e/

 

4Information presented by Jurgen Dinger at a simposium at the 10th Congress of the European Society of Contraception, 30 April-3 May 2008 Prague, Czech Republic.

 

5https://abhh.org.br/noticia/cuidado-com-a-trombose/

 

PP-XAR-BR-0746-1