MELHORANDO VIDAS

Crianças precisam de um estilo de vida mais saudável

Pais devem cuidar da dieta dos pequenos e estimular exercícios físicos, para afastar os perigos da obesidade e prevenir doenças cardiovasculares no futuro deles.

Ao longo do tempo, as brincadeiras de infância como pega-pega, amarelinha e dança das cadeiras vêm sendo substituídas por jogos eletrônicos, pelo uso de televisão e por outras atividades em frente às telas.

 

Vida saudável para as crianças

 

As tecnologias trazem novas opções de entretenimento e benefícios cognitivos. Entretanto, enquanto as brincadeiras antigas faziam as crianças correrem e saltarem, a utilização de aparelhos eletrônicos não faz suar a camisa e está colaborando para o sedentarismo durante a infância.

 

Além disso, as crianças tendem a comer mais biscoitos, chocolates, e outros alimentos processados ricos em gordura, açúcar e sal. A carência de exercícios físicos, associada à dieta inadequada, está levando os pequenos cada vez mais para o caminho da obesidade. No Dia da Conscientização contra a Obesidade Infantil, em 3 de junho, entidades como a Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP) buscam conscientizar sobre esse importante tema.

 

Problema global

De acordo com dados da Organização Mundial da Saúde (OMS), 38 milhões1 de crianças com idade inferior a 5 anos estavam com sobrepeso ou obesas em 2019. No Brasil, o cenário também é preocupante: 14,8% das crianças com menos de 5 anos e 28,1% daquelas com idade de 5 a 9 anos que foram atendidas pelo SUS em 2019 tinham excesso de peso. Segundo os dados do Ministério da Saúde, dessas crianças atendidas, 7% e 13,2%, respectivamente, estavam obesas[2].

 

Durante a pandemia do coronavírus, que alterou significativamente a rotina das famílias, o tema requer ainda mais atenção. “As crianças estão ficando em casa e acabam comendo o dia todo. Então, é importante que as refeições tenham ainda um horário estipulado e sejam mantidas as atividades físicas. Essas atividades podem ser brincar, pular corda, dançar ou ajudar em algumas tarefas domésticas, por exemplo, para que as crianças possam gastar energia”3, afirmou a dra. Virgínia Weffort, presidente do Departamento Científico de Nutrologia da SBP, em comunicado.

 

Obesidade é um perigo real

Por razões culturais, as pessoas podem acabar negligenciando o sobrepeso e a obesidade na infância. Embora as crianças tenham um metabolismo mais acelerado e demanda energética considerável para suportar as fases de crescimento, isso não significa passe livre para o descuido alimentar.

 

Como diz a tradicional música infantil, “comer, comer é o melhor para poder crescer”. No entanto, a dieta da criança deve ser equilibrada e rica em nutrientes, com a ingestão de hortaliças, frutas e cereais integrais. Também é comum confundir gordura extra com “fofura” nos pequenos. Uma criança “cheinha” pode passar uma falsa sensação de saudabilidade, quando, na verdade, o excesso de peso compromete a saúde e pode até mesmo impactar negativamente no futuro dessa criança.

 

Uma das medidas preventivas da obesidade infantil é investir em atividade física. “Cabe aos pais a responsabilidade de dar o exemplo e criar oportunidades para que seus filhos possam ter uma prática regular de exercícios físicos extracurriculares, como a prática de esportes como judô, futebol, balé, entre outros, que, além de evitarem o sedentarismo e a obesidade, podem trazer outros benefícios para as crianças, como sociabilização, apresentações, competições, etc”4, afirma o cardiologista e médico do esporte do Hospital do Coração (HCor), Dr. Daniel Santos.

 

Os problemas cardíacos representam a principal causa de morte entre adultos. Estimativas da OMS indicam que 17,9 milhões de pessoas morreram devido a doenças cardiovasculares em 2016, o equivalente a 31% do total de óbitos registrados no mundo5.

 

Por isso, nada mais justo que levar o tema a sério e valorizar a prevenção dessas doenças. A adoção de um estilo de vida saudável desde a infância se torna um hábito com mais chances de se manter durante a vida adulta, com a vantagem de mitigar os fatores de risco que agridem o coração.

 

PP-XAR-BR-0815-1.

 

Tags: crianças, obesidade infantil, sedentarismo, doenças cardiovasculares, exercícios físicos.

 

Referências

1https://www.who.int/news-room/fact-sheets/detail/obesity-and-overweight

2https://saudebrasil.saude.gov.br/ter-peso-saudavel/obesidade-infantil-como-prevenir-desde-cedo

3https://www.sbp.com.br/imprensa/detalhe/nid/atividade-fisica-e-alimentacao-saudavel-serao-reforcadas-nesse-dia-da-conscientizacao-contra-a-obesidade-infantil/

4https://www.hcor.com.br/imprensa/noticias/atividade-fisica-na-infancia-pode-afastar-o-risco-de-doencas-cardiovasculares-e-sedentarismo-na-idade-adulta/

5https://www.paho.org/pt/topicos/doencas-cardiovasculares