MEU TRABALHO NA BAYER

Desconstruindo os meus próprios limites

Somos do tamanho dos nossos sonhos. Sempre acredite em você e se apegue às oportunidades, assim descobrimos que é possível ir mais longe.

Iniciei minha trajetória na Bayer em 2018. Entrei como jovem aprendiz e dentro de um projeto para pessoas trans na companhia. Estava em um momento muito difícil da minha vida, uma transição iniciada com um turbilhão de sentimentos e perguntas. Será que vão me aceitar? Como vai ser? Sou um dos primeiros homens trans em uma multinacional?

 

Esses questionamentos foram sendo respondidos no próprio dia a dia. Fui muito bem recebido com uma estrutura gigantesca. Muito antes de sermos contratados, houve uma reunião com todos os colaboradores do site. Nesse encontro, foram abordadas dicas de como nos receber, com exemplos de perguntas que não deveriam ser feitas para não nos agredir emocionalmente. Ao total, contando comigo, foram três homens trans contratados, e comecei a criar uma série de expectativas para o meu futuro – já que até então eu nunca havia passado essa experiência de preocupação e zelo por parte de uma empresa.

 

Comecei atuando no time de Comunicação, na divisão Crop Science, supervisionando a logística da área nos eventos e grandes feiras do agro. Em 2019, tive a oportunidade de encarar o meu trabalho mais de perto e participei de uma das feiras em Brasília. Foi incrível. Ficou claro que não podemos errar no processo de logística, ou o roteiro de ações não fica completo.

 

Ainda em 2019, como meta de aprendizagem, participei da formulação da Cartilha 2.0 do grupo de afinidade BLEND, que apresentava a comunidade LGBTQIA+. Em uma das etapas de criação, pude colaborar e falar para a companhia sobre a letra “T”, de “transgêneros”. Tive vários espaços e voz para desmitificar mitos e dúvidas dos meus colegas de trabalho.

 

Cartilha LGBT+

 

No começo de 2020, tive mais uma grande oportunidade: me tornar estagiário enquanto cursava Administração. Continuei na área de Comunicação, mas agora faço parte do time Corporativo, com trabalhos e metas diferentes do que eu já fazia, o que me possibilita uma abertura para outras visões e novas experiências. Costumo dizer que sou movido por desafios, pois eles abrem os meus olhos para os motivos das minhas mudanças.

 

No meio desse novo cotidiano, com processos administrativos de pagamento e contato com fornecedores, tive uma conversa informal com um colega. Ele disse que não se sentia bem nos banheiros por ser uma pessoa trans. Daí, surgiu a ideia de emplacar os banheiros do site de São Paulo com placas de diversidade. Essa ideia foi aprovada pelo grupo BLEND, que possibilitou a construção e a conclusão desse projeto, expandindo-o para todos os sites da Bayer no Brasil. Fiquei muito feliz por fazer parte dessa ideia que partiu de uma simples conversa, mas que resultou em fazer alguém se sentir bem dentro da empresa.

 

Placa nos banheiros

 

Então, o ano de 2021 começou, e, abrindo esse leque de oportunidades, passei de um papel administrativo para atuar diretamente com comunicação interna. Hoje, tenho contato com a Bayer Global, participo da manutenção de nossa intranet, planejo comunicados e reports de resultados, além de ações internas da companhia. Com todas essas mudanças, e com um time que me proporciona um grande apoio, aprendi que precisamos estar preparados para as transformações. O desafio é aberto para todos, sendo sempre necessário ir atrás, buscar, desaprender e reaprender de uma nova forma.

Nathan SilvaNathan Silva está cursando o 3º semestre de Administração, tem três anos de Bayer e atualmente está na área de Comunicação Corporativa.