Por que a Agricultura precisa ser melhorada

Como a agricultura está relacionada ao planeta?

O mundo precisa produzir mais alimentos do que nunca, conservando os recursos limitados que temos disponíveis. Até onde chegaremos a partir daqui exigirá o talento e a cooperação dos agricultores, empresas, governos, universidades e dos cidadãos.

A agricultura sozinha representa a maior utilização de terra e água pelo homem. Portanto, ela tem um maior impacto potencial sobre o nosso planeta do que qualquer outro empreendimento humano.

Ao mesmo tempo, a agricultura é uma das primeiras áreas a ser afetada pelas mudanças em nosso meio ambiente. Elevação das temperaturas, condições meteorológicas extremas, secas - estes são apenas três dos muitos problemas que a agricultura precisa enfrentar para alimentar a humanidade. Colocando de uma forma bem simples, se você se preocupa com o meio ambiente, você tem que se preocupar com a agricultura. E vice-versa.

Mudança nos hábitos alimentares

Determinar a quantidade de alimento necessária para alimentar o mundo é mais complicado do que parece. Não podemos simplesmente aumentar a produção na mesma porcentagem que a população está aumentando, por várias razões.

Para começar, a comida não é um recurso distribuído de maneira uniforme. Em áreas mais abastadas e desenvolvidas, os alimentos tendem a ser acessíveis e relativamente mais baratos. Nas áreas mais pobres e menos desenvolvidas, ainda há milhões de pessoas que passam fome e estão desnutridas. Aproximadamente 16% da população dos Estados Unidos enfrenta a insegurança alimentar. No Brasil, segundo dados do IBGE, 34,8% dos domicílios particulares viviam em situação de insegurança alimentar. A insegurança alimentar é definida pelo Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA) como a falta de acesso por todos os membros de uma família a alimentos suficientes para uma vida ativa e saudável.

E então, há as nações em rápido desenvolvimento como a China e a Índia. Na medida que pessoas nos países em desenvolvimento se tornam mais prósperas, elas podem comprar mais alimentos e também mais proteínas. Como vacas, galinhas, porcos e outros animais requerem muitos quilos de ração para cada quilo de carne que produzem, um aumento modesto na demanda por proteína é na verdade um grande aumento na demanda por grãos, água e terras.

Agricultura orgânica e convencional

A diferença entre orgânico e "orgânico"

Pela definição mais tradicional do termo, quase todos os alimentos são orgânicos. De acordo com o Dicionário Webster, orgânico significa simplesmente "de, relativo à, ou derivado de organismos vivos."

Quando você vê a palavra "orgânico" nos rótulos dos alimentos no supermercado, ela tem um significado diferente. Significa um alimento que foi cultivado sem o auxílio de pesticidas sintéticos ou fertilizantes químicos e foi produzido sem a utilização de organismos geneticamente modificados ou aditivos alimentares químicos.

Existe uma diferença real?

A única resposta honesta é: depende. Claramente, se você quer especificamente que seu alimento seja cultivado sem pesticidas, certas tecnologias ou aditivos, você pode preferir variedades "orgânicas".

No entanto, a evidência científica esmagadora mostra que não há diferenças significativas entre culturas "orgânicas" e "convencionais" em termos de sabor, nutrição e segurança.

O problema com a escolha dos "lados"

O maior problema com o debate sobre culturas "orgânicas" e "convencionais" é que ele sugere que há apenas duas maneiras de se cultivar alimentos: uma forma "boa" e uma forma "ruim". A realidade é muito diferente.

Alguns vegetais rotulados como "orgânicos" são cultivados em grandes fazendas, a milhares de quilômetros de distância de seu supermercado. Se você se preocupa em comer produtos locais, o que é melhor: um pé de alface "orgânico" cultivado, digamos, na Califórnia, ou um pé de alface não "orgânico" cultivado a 20 quilômetros da sua casa?

Opinião em comum

Talvez a questão mais importante seja: qual é a melhor maneira de se aumentar a produtividade de alimentos saudáveis, ricos em nutrientes e, ao mesmo tempo, reduzir a quantidade de terra, água e energia necessária? Para realmente lidar com os desafios que enfrentamos, são necessárias abordagens múltiplas.