Saúde e Necessidades Sociais

Ajuda na luta contra a doença Africana do sono

Cerca de 60 milhões de pessoas na África estão ameaçadas pela doença do sono. No Congo, esta infecção agora mata tantas pessoas quanto a AIDS. Para ajudar a combater a doença, a Bayer concordou em fornecer seu ingrediente ativo suramin à Organização Mundial de Saúde, gratuitamente, por um período de cinco anos.

Mosca da Doença Africana do Sono

A Doença Africana do Sono é causada por um parasita transmitido pela mosca tsé-tsé, na África Subsaariana. É uma condição fatal, se deixada sem tratamento. A doença foi trazida, em grande parte, sob controle na década de 1960, mas, desde então, a prevenção e terapia têm sido negligenciadas, levando a um ressurgimento da doença do sono.

Doença Africana do Sono

A Bayer também está apoiando o Programa Especial da OMS, para a Pesquisa e Treinamento sobre Doenças Tropicais (TDR), por meio de estudos clínicos. Os testes estão sendo realizados para investigar a adequação de um medicamento com o ingrediente ativo nifurtimox, no combate à doença Africana do Sono. Este produto foi originalmente desenvolvido e registrado para o tratamento da doença de Chagas uma doença infecciosa, causada por parasitas, da mesma forma que ocorre, exclusivamente, na América Latina. Vários estudos, com diferentes dosagens para o tratamento da doença Africana do Sono já foram realizados.

A Bayer se pronunciou a favor de uma "Iniciativa Integrada contra a Doença do Sono", que será apoiada pelo maior número possível de instituições. A iniciativa vai abranger todos os aspectos da doença, desde a infecção, através do diagnóstico e terapia, até a prevenção. A Bayer também está envolvida com a "Campanha Pan Africana em prol da erradicação da Tripanossomíase e da Tsetse", que foi fundada em julho de 2000 pela OMS e outras organizações. A campanha visa parar a propagação da mosca tsé-tsé.